sábado, 21 de agosto de 2010

DESCORTÊS? QUANDO?

Direto ao Ponto:
O Mestre ensina como tratar corretamente a discípula: muita gentileza e nenhuma pergunta. O presidente da República conta piadas obscenas na presença de mulheres, relata intimidades conjugais em palavrórios no palanque e, pelos arrulhos que anda trocando com o neocompanheiro, não achou grave a afronta infligida à filha Lurian e a ele próprio por Fernando Collor na campanha de 1989, quando sua ex-namorada Miriam Cordeiro foi alugada pelo adversário para acusar Lula de ter tentado forçá-la a interromper a gravidez com um abordo. Piadas grosseiras, revelações personalíssimas, agressões brutais ─ nada disso pode parecer constrangedor aos olhos e ouvidos femininos.O que Lula considera intolerável é perguntar a uma mulher que disputa a Presidência da República o que o eleitorado deseja saber. “Eu esperava que o entrevistador tivesse um pouco mais de gentileza”, queixou-se nesta terça-feira durante a discurseira em Belo Horizonte. Sempre escondendo o nome do acusado, Lula decidiu que o jornalista William Bonner, no Jornal Nacional de segunda-feira, foi descortês com a entrevistada Dilma Rousseff. Deveria tratá-la com muita delicadeza, ensinou, “pelo fato de ser mulher e ser candidata”.Lula assistiu ao mesmo programa em que milhões de brasileiros viram apenas um William Bonner incisivo, como deve ser todo entrevistador, mas exemplarmente educado. Por que resolveu enxergar agressões inexistentes? Para agredir a liberdade de imprensa, inibir os donos de empresas jornalísticas e, sobretudo, ameaçar os entrevistadores. O padrinho só ficará satisfeito quando todos perguntarem o que a afilhada acha da beleza da mulher brasileira, do Carnaval do Rio ou do presidente Lula.Se acha mesmo que William Bonner protagonizou um caso de descortesia com mulheres, Lula deve apresentar-se imediatamente à delegacia mais próxima pelo caso de polícia que estrelou em 1984. Acusada de votar em Tancredo Neves no Colégio Eleitoral, a deputada Bete Mendes ─ mulher, até prova em contrário ─ foi expulsa por Lula do PT. Em Belo Horizonte, jurou que “aprendeu muito” com Tancredo. Se fosse sincero, enviaria a Bete Mendes centenas de buquês de rosas semelhantes à que a candidata que inventou ganhou do chefe “pela calma e tranquilidade que teve no Jornal Nacional”.Lula ficou indignado com William Bonner por ter castigado Dilma Rousseff com três ou quatro perguntas muito pertinentes. Acha que, por ser mulher, só merece gentilezas. A iraniana Sakineh Ashtiani foi condenada à morte por apedrejamento pelo companheiro Mahmoud Ahmadinejad. Ontem, Lula não tinha nada a dizer sobre a mulher que vai morrer. Estava indignado com a aplicação das sanções aprovadas pela ONU. Acha que um homem como Ahmadinejad não deve ser castigado. Não é mulher nem candidata, mas merece tratamento tão gentil quanto o que exige para Dilma Rousseff.(AUGUSTO NUNES - VEJA).
Comentario d' O INDIGNADO:
Entre o "MAROLINHA" achar que o Bonner foi descortês com a 'ex-guerrilheira', e se fazer perguntas pertinentes, vai uma imensa distancia.. Quando era oposição, apelava de tudo quanto era maneira. A 'Dilma do Chefe', revela nas entrevistas e inquisições, completo despreparo para tal e, consequentemente, a ocupação da cadeira presidencial. Todos os entrevistados passaram por perguntas cabíveis à aqueles que postulam a presidencia. A sede do continuismo no poder, é que faz com que o "MAROLINHA" veja 'fantasmas' quando declara que a imprensa efetua perseguições. "MAROLINHA", marque um 'gol de letra": volte a tomar seu aperitivo preferido no ABC ou em qualquer local distante do Brasil. SEU PRAZO DE VALIDADE, VENCE EM 31 de dezembro vindouro.


3 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
angela disse...

E parece que vamos ter que engolir essa "rosa" cheia de espinhos.

Maria José disse...

Esse homem foi uma grande decepção. Continua sendo ao fazer coisas que jamais poderíamos imaginar. Não consigo mais perceber o que vai por trás desta mente maquiavélica ao fazer um comentário ou outro. Acredito que coisa boa não é, pois não dá ponto sem nó. Aplausos a William Bonner. Grande abraço.